quarta-feira, 23 de junho de 2010

(in)SINA

Por Dianne Nogueira.

Imagem: Rivello


Acabô-se o papel do mundo
Os artista num vai desenhá
Puxa o balde que o poço é bem fundo
Cende a vela pra nóis proseá
Seu dotô, eu me chamo Raimundo
Meu trabaio é as rua alimpá
Acabou-se o papel do mundo
Me adisculpe eu lhe incomodá

É que hoje eu fiquei sabeno
Que o papel haviria de acabá
Me alembrei que o sinhô tá deveno
Me fazer home sábio, que leno
Intende inté o B-A-BÁ

Antes que, além do papel, se acabe o mundo
O dotô vai as calça honrá
Puxe um banco, respire fundo
Cende a vela, nóis vai estudá

3 comentários:

Eder Barbosa de Melo disse...

Publiquei no TOp 5, mas quem é o autor(a)?

Amana C. disse...

acho que é dela mesma, eder! hehe

Kleidianne disse...

Xii, esqueci de responder aqui... eu que escrevi, sim... rsrs